Linhas de Pesquisa

LINHAS DE PESQUISA DO PPG EM TEORIA LITERÁRIA E LITERATURA COMPARADA

LINHA

DESCRIÇÃO

LITERATURA E SOCIEDADE

Esta linha busca reconhecer e interpretar, no material de que se compõe o texto literário, a configuração mediada de elementos externos (a história, a sociedade, a relação entre obra, autor e público), sedimentados na forma que os expressa e, portanto, passíveis de serem estudados a partir de uma crítica imanente do texto. Tendo em vista um foco investigativo que visa a compreensão do fenômeno literário, esta vertente de pesquisa compreenderá, assim, a leitura dos diferentes modos pelos quais tais relações se cristalizam e se transformam.

ESTUDOS COMPARATISTAS DA LITERATURA

 

A partir de idéia de que a Literatura Comparada é o espaço inter-relacional por excelência, esta linha de pesquisa abrange um amplo escopo de estudos, baseados em teorias clássicas e atuais da Literatura Comparada, no diálogo da Literatura Comparada com a Crítica Literária, com as Teorias Literárias e com outros ramos do saber. Incluem-se aqui, desde estudos de recepção, de intermediação cultural, de imagologia, de literatura de viagem, até estudos comparativos críticos que envolvam obras literárias brasileiras e de outras literaturas, passando por estudos que contemplam a relação da literatura com outras artes. O ponto de partida é geralmente a Literatura Brasileira.

FORMAS E GÊNEROS LITERÁRIOS

Esta linha de pesquisa se utiliza das categorias de “forma” e “gênero” para refletir sobre o fenômeno literário em perspectiva histórica, levando em conta principalmente obras e autores do ponto de vista de sua contribuição pessoal na constituição da tradição a que pertencem. Propõe-se a estudar a persistência teórica e as reformulações históricas dos gêneros literários enquanto categoria literária, com especial atenção às rupturas modernas e às formas híbridas contemporâneas.

CRÍTICA E HISTÓRIA LITERÁRIA

Esta linha de pesquisa focaliza a dinâmica das formas literárias no sistema das literaturas nacionais procurando atender a dois pressupostos básicos que são: 1) apreender a especificidade dos gêneros, das técnicas de expressão e das marcas estilísticas em articulação com o andamento do processo histórico-cultural; 2) fundamentar criticamente o trabalho de interpretação e avaliação estética das obras individuais.

LITERATURA E PSICANÁLISE

Dentro do campo controverso da interdisciplinaridade, tal vertente dá continuidade a pesquisas – iniciadas desde Freud – cujo intento principal está em estabelecer confluências entre a teoria psicanalítica e a leitura da obra literária, visando sublinhar ângulos pouco iluminados por outras correntes críticas. Nessa direção, busca-se determinado equilíbrio entre um saber específico e as peculiaridades do literário, que, além de comportar inúmeros saberes, é arte (e, como tal, um espaço em que o inconsciente pode aflorar...). Para tanto, aspectos teóricos da psicanálise são recobrados, ganhando maior ou menor relevo conforme sua presença na fatura da obra, lembrando, na esteira freudiana, que o empréstimo de certa terminologia traz perdas inerentes a qualquer processo que desentranhe conceitos de sua esfera de origem e desenvolvimento. Em linhas gerais, interessam aqui formações do inconsciente: lapsos, chistes, associações, procedimentos oníricos etc., sempre que atuam como elementos constitutivos do texto artístico.

PROJETOS VINCULADOS ÀS LINHAS DE PESQUISA

 

LINHAS

PROJETOS

RESPONSÁVEL

CRÍTICA E HISTÓRIA LITERÁRIA

 

Esta linha de pesquisa focaliza a dinâmica das formas literárias no sistema das literaturas nacionais procurando atender a dois pressupostos básicos que são: 1) apreender a especificidade dos gêneros, das técnicas de expressão e das marcas estilísticas em articulação com o andamento do processo histórico-cultural; 2) fundamentar criticamente o trabalho de interpretação e avaliação estética das obras individuais.

 

CONTRASTES DA MODERNIDADE: HISTÓRIA, TEORIA E CRÍTICA: Estudo da dinâmica histórica da formação, estabilização e desagregação do projeto moderno no Brasil, considerando os diferentes momentos desse processo, bem como as obras literárias mais significativas.

IUMNA MARIA SIMON

Demais membros docentes: Ana Paula Pacheco, Marcelo Pen

ESTRANHAMENTO: Estudo do procedimento do estranhamento em obras literárias e sua descrição crítica.

AURORA FORNONI BERNANRDINI

PERSPECTIVAS DA LITERATURA BRASILEIRA OITOCENTISTA: Este projeto de pesquisa tem o objetivo de estudar autores e obras do século XIX a partir da consideração do intenso debate literário travado no período, quando diferentes concepções estéticas colocaram em questão a natureza e a função dos diversos gêneros que estavam sendo produzidos. Para atingir esse objetivo, o projeto pretende contemplar duas frentes de estudos. Em primeiro lugar, busca-se analisar a reflexão crítica oitocentista, procurando delinear o universo teórico e conceitual dos seus autores. Inserem-se aqui, não apenas o estudo da crítica e das polêmicas que marcaram o século XIX, mas também de paratextos inseridos pelos escritores em suas obras e de manuais escolares de poética e de retórica. Em segundo lugar, o projeto pretende analisar a produção literária oitocentista, inserindo-a no contexto cultural do período. Nos dois casos, serão privilegiados o trabalho com fontes primárias e o estudo de temas e/ou de obras pouco exploradas pela tradição crítica brasileira.

EDUARDO VIEIRA MARTINS

TEORIA E HISTÓRIA DO ROMANCE: Esse projeto de pesquisa tem como foco a discussão da teoria do romance do ponto de vista da história do gênero com a finalidade de discutir seus desdobramentos no tempo e no espaço. O que estrutura essa proposta é o conceito de deslocamento e descentramento.

SANDRA GUARDINI T. VASCONCELOS

ESTUDOS COMPARATIVISTAS DA LITERATURA

 

A partir de ideia de que a Literatura Comparada é o espaço inter-relacional por excelência, esta linha de pesquisa abrange um amplo escopo de estudos, baseados em teorias clássicas e atuais da Literatura Comparada, no diálogo da Literatura Comparada com a Crítica Literária, com as Teorias Literárias e com outros ramos do saber. Incluem-se aqui, desde estudos de recepção, de intermediação cultural, de imagologia, de literatura de viagem, até estudos comparativos críticos que envolvam obras literárias brasileiras e de outras literaturas, passando por estudos que contemplam a relação da literatura com outras artes. O ponto de partida é geralmente a Literatura Brasileira.

 

DIÁLOGOS NA REGIÃO AMAZÔNICA: LITERATURA, CULTURA E SOCIEDADE: O projeto se propõe a criar uma sinergia de pesquisas sobre a comarca amazônica (Rama), tendo como centro as produções e dinâmicas literárias e artísticas, mas entendidas como expressões culturais situadas no tempo e no espaço. Tal perspectiva torna indispensável o diálogo de estudiosos da literatura e das artes com as ciências humanas: filosofia, geografia,a história, antropologia, política, sociologia e linguística. A região amazônica é muito conhecida e relativamente ainda pouco estudada. Pesquisar seus processos sociais e culturais significa levar em conta tanto as diferenças e os conflitos do presente e do passado como também o que diz respeito às semelhanças sociais e culturais que aproximam os distintos países da região, superando fronteiras e estreitando elos que, se desenvolvidos, podem contribuir para uma efetiva união sulamericana.

LIGIA CHIAPPINI MORAES LEITE

HISTÓRIA E ALEGORIA NO "FAUSTO" DE GOETHE: Este projeto de pesquisa refere-se ao Fausto de Goethe, opus magnum da literatura alemã e também (em sua heterogeneidade “clássica”) uma obra das mais peculiares de toda a literatura mundial, uma vez que incorporou, ao longo das seis décadas de sua redação, traços pré-românticos do movimento “Tempestade e Ímpeto”, procedimentos simbólicos da estética classicista e, ainda, os recursos alegóricos do estilo de velhice. Pretende-se que dessa pesquisa resulte um estudo alicerçado nos mais proeminentes textos sobre a obra, que possa oferecer ao leitor brasileiro sínteses consistentes das principais posições teóricas na filologia fáustica, ressaltar os momentos de mudança de paradigma na fortuna crítica e construir também uma interpretação da tragédia (em particular do complexo dramático conhecido como “Tragédia da Colonização”) à luz de aspectos tomados ao processo colonizador brasileiro, o que pode significar uma contribuição até certo ponto inédita aos estudos goethianos. A pesquisa está centrada em três grandes eixos temáticos. O primeiro diz respeito à tradição “fáustica” anterior a Goethe, que se inicia em 1587 com a publicação do livro popular Historia von D. Johann Fausten. Sobre essa obra (de importância crucial para o Doutor Fausto, de Thomas Mann) há uma bibliografia imensa, a ser trabalhada de maneira seletiva, isto é, em consonância com os aspectos relevantes para o próprio Goethe. O segundo eixo da pesquisa está voltado prioritariamente ao substrato histórico da tragédia (camuflado com frequência sob a forma alegórica) e, por conseguinte, à sua surpreendente atualidade; abrir-se-á aqui amplo espaço ao papel desempenhado por Mefistófeles, certamente a figura demoníaca mais complexa, irreverente, “carnavalesca” (para usar esse termo central da teoria de Bakhtin) e, sobretudo, moderna de toda a literatura mundial. No terceiro bloco pretende-se contemplar as obras, na literatura posterior a Goethe, que desdobram motivos presentes no Fausto, avultando nomes como Dostoiévski, Fernando Pessoa, Paul Valéry, Mikhail Bulgákov, Thomas Mann ou ainda Guimarães Rosa.

MARCUS VINICIUS MAZZARI

ESTUDOS COMPARATIVISTAS DA LITERATURA

 

LÍRICA E PROSA MODERNAS E ALGUMAS ESPECIALIDADES DA RELAÇÃO ENTRE LITERATURA E PINTURA: A pesquisa volta-se ao estudo da lírica e da prosa modernas, vendo a forma do poema ou narrativa como precipitação de um conteúdo histórico Um dos pontos de interesse nesse âmbito são as relações entre literatura e pintura, em poetas como William Carlos Williams, Carlos Drummond de Andrade, Murilo Mendes, João Cabral de Melo Neto, Valéry (entre outros), de modo a aclarar como o poema, ao reconfigurar em verso a forma (a estrutura) da tela, a interpreta. Se o poema é assim parte central I dessa pesquisa, importa igualmente o estudo da crítica levada a cabo por poetas ou prosadores, em sua especificidade. Ainda no campo da Literatura Comparada, relevante será a comparação entre dois poetas.

BETINA BISCHOF

LITERATURA E PINTURA: DA RELAÇÃO EXPLÍCITA À ESCRITURA PICTURAL: Apresentar um panorama histórico das relações entre a literatura e pintura e sistematizar, numa perspectiva teórica, procedimentos que viabilizam a presença ou traduzem ecos da pintura na literatura. Vários autores serão convocados para ilustrar as diferentes modalidades de relações entre essas linguagens.

SANDRA MARGARIDA NITRINI

NARRATIVA LATINO-AMERICANA CONTEMPORÂNEA (1990 - PRESENTE): O projeto busca estudar a produção literária latino-americana dos últimos 20 anos, além de sua fortuna crítica e de textos teóricos que contribuam para a reflexão sobre o período e suas práticas culturais.

MARCOS PIASON NATALI

ESTUDOS COMPARATIVISTAS DA LITERATURA

O PATHOS NA LITERATURA: DO CÂNTICO DOS CANTICOS E DOS GREGOS À LITERATURA CONTEMPORÂNEA: A proposta é uma abordagem da paixão na Literatura - da Bíblia e da Grécia até a atualidade. Mais do que conceituar, pretende-se ilustrar a experiência passional que os grandes textos registram, apontando uma série de paradigmas literários, num arco que se desdobrará do século IX a.C. até hoje: textos que nos ensinaram a dizer o amor. Serão assim levantadas uma série de características do amor-paixão, todas engendradas a partir da percepção da radical incompletude que perpassa nossa vivência pessoal (e que deu origem aos mitos do Andrógino n´O Banquete de Platão e de Eva tirada da costela de Adão, no Gênesis bíblico: mitos de cepas culturais diferentes, mas no entanto de mesma etiologia). Um primeiro rastreamento no elenco de textos da Literatura Ocidental, que tratam do amor-paixão, levaria a uma série de invariantes que, repertoriadas, apontariam a dívida ao paradigma do Cântico dos Cânticos. E aqui se confirma a formulação de Blake, retomada por Northrop Frye, de que a Bíblia é o "Great Code" da Literatura Ocidental - ao qual há que se acrescentar os gregos. O corpus da pesquisa integrará, além do Cântico, textos emblemáticos da paixão amorosa: de Safo, Píndaro, hinos homéricos, Eurípides, Sófocles, poesia trovadoresca; Tristão e Isolda, Dante, Petrarca, Camões, Shakespeare, Antero de Quental, Gonçalves Dias, etc - sempre num contraponto com os contemporâneos, Drummond, Guimarães Rosa, Bandeira, Neruda, Murilo Mendes, João Cabral, Ferreira Gullar, Adélia Prado, canção popular (MPB), quadrinhas folclóricas e cordel nordestino. É importante ainda dizer que tal busca de invariantes se equaciona, dialeticamente, com uma visada histórico-social, que buscará apreender as diferentes modulações que o pathos amoroso irá assumindo, ao longo da História.

ADÉLIA TOLEDO BEZERRA DE MENESES

OSMAN LINS DIALOGA COM GIDE: Com Nove,novena, Avalovara e A rainha dos cárceres da Grécia, Osman Lins tornou-se ainda em vida mais reconhecido no exterior que no Brasil, onde a crítica, que acolhera tão bem seus livros anteriores, mostrou-lhes resistência. Dos anos de 1990 para cá têm surgido leitores atraídos por essas obras em diversos programas de pós-graduação no Brasil, mas ainda há muito a ser desenvolvido no âmbito de sua incipiente fortuna crítica acadêmica ou não. Ao contemplar a leitura analítica e crítica de A rainha dos cárceres da Grécia, este projeto se propõe a contribuir para a compreensão da obra ficcional de Osman Lins. A perspectiva comparatista com o romance de Gide, Les faux monnayeurs contribui para inserir A rainha dos cárceres da Grécia no âmbito dos romances inovadores do século XX e para compreender seu processo de criação. No que se refere à vertente das elaborações teóricas de ambos os autores, este projeto contribui para situá-lo na linha de autores que refletem sobre a arte de escrever.

SANDRA MARGARIDA NITRINI

ESTUDOS COMPARATIVISTAS DA LITERATURA

POR UMA ÉTICA DAS FORMAS: O presente projeto de pesquisa visa o estudo de questões teóricas suscitadas pelos escritos do poeta francês Paul Valéry (1871-1945), especialmente as relacionadas à história e à criação poética, tendo como objetivo principal a pesquisa do desdobramento dessas questões na recepção de sua obra entre poetas brasileiros (desde Mário de Andrade e Manuel Bandeira, passando por Drummond e João Cabral até os poetas concretos e Waly Salomão), sem prescindir da análise da vasta recepção do poeta em seu próprio País e na literatura hispano-americana.

ROBERTO ZULAR

REALISMO, ROMANCE E SEUS FANTASMAS: LEITURAS DE HENRY JAMES E MACHADO DE ASSIS: A partir da leitura da obra literária e crítica de James e Machado, procuramos entender em que medida ambos estão ocupados com a forma problemática capaz de configurar um solo social que já não parece tão firme. Ou seja, sondamos o modo cada um propôs a inter-relação entre forma e conteúdo não apenas como verdade estética, mas ainda como uma medida de excelência estética, dando a um só tempo expressão ao "choque histórico". Um dos temas da investigação diz respeito ao conceito do duplo, compreendido em sua configuração histórica e social.

MARCELO PEN PARREIRA

ROMANTISMO: DIÁLOGOS: Leitura de algumas obras do Romantismo alemão e do Romantismo francês. O caminho escolhido parte, em primeiro lugar, do próprio diálogo entre os escritores, e busca acompanhar pela análise crítica e comparativa das obras os percursos criativos e críticos por eles traçados a partir de obras de outros criadores. Aqui contemplamos tanto a recepção viva que resulta em criação, quanto a recepção crítica; assim como a maneira pela qual crítica e criação se encontram concretamente imbricadas nas obras dos autores estudados. O jogo entre reflexão, leitura crítica e criação é decerto uma das contantes do Romantismo: está presente em muitas formulações teóricas, mas também na prática de muitos criadores. Em nosso estudo, consideramos aquelas formulações, mas privilegiamos o caminho do diálogo que se realiza entre as próprias obras. Entende-se ainda que colocar as obras em diálogo e buscar sua iluminação recíproca é algo que pode permitir-nos compreender mais a fundo cada uma delas. Permite-nos também acompanhar temas e procedimentos retomados por alguns autores: certas constantes localizáveis no período romântico (e pós-romântico). O estudo do diálogo entre os criadores tem ainda no horizonte uma reflexão mais geral sobre a crítica literária e a literatura comparada que, ainda hoje, pode ser suscitada pensamento romântico e, sobretudo, pela prática crítica e comparativa encontrada nos autores estudados. O estudo centra-se em algumas questões e em alguns temas. Uma primeira dessas questões, mais geral, é a da relação entre diferentes literaturas que se estabelece de forma particularmente intensa no Romantismo. Centraremo-nos em alguns diálogos entre o Romantismo (e o pós-Romantismo) francês e o Romantismo alemão. A temática do artista (e do poeta) que se encontra em obras de autores como Novalis, E.T.A. Hoffmann, Gérard de Nerval, Charles Baudelaire e Honoré de Balzac é outro eixo da pesquisa e se liga à reflexão sobre o diálogo e a aproximação entre as artes.

MARTA KAWANO

ESTUDOS COMPARATIVISTAS DA LITERATURA

SACRIFÍCIOS ESCRITOS: LITERATURA, ÉTICA, DIFERENÇA: Se a questão do sacrifício atravessou bibliografias antropológicas, historiográficas e filosóficas no século XX, incluindo até um chamado ambíguo, por Jean-Luc Nancy, pelo sacrifício do sacrifício , este projeto de pesquisa pretende revisitar a discussão sobre o sacrifício, agora tendo em vista sua possível contribuição para uma reflexão sobre a literatura contemporânea. Tendo em mente o parecer de Jacques Rancière de que o sacrifício é o anúncio de uma escolha, a pesquisa utiliza a estrutura sacrificial para pensar a literatura, entendendo-a como sempre em disputa com demandas de outra ordem. Através da leitura de textos literários de Roberto Bolaño e José María Arguedas e de textos filosóficos de Jacques Derrida e Emmanuel Levinas, o projeto examina como a literatura, em comparação com a elegia, responde aos dilemas éticos presentes em todo texto fúnebre.

MARCOS PIASON NATALI

UM ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE LÍRICA E NATUREZA MORTA: A pesquisa tem por objetivo estudar a Lírica em comparação com outra modalidade de arte – a pintura, ou, num recorte mais específico, a pintura de Natureza Morta (em primeira instância, nos pintores dos Países Baixos no século XVII). O estudo, com base na história e na tradição pictórica e literária tem como objeto principal o debate acerca da gênese dessas duas modalidades. Tema fundamental será a constituição de um fechamento ou recuo (seja do eu lírico, seja dos objetos representados na pintura) a um lugar que se dá a apreender como espaço da interioridade. Assim, a partir da relação entre poesia e imagem, tema fundamental desde as discussões sobre a Ekphrasis antiga, buscaremos iluminar, no exercício comparativo, o corpus teórico-crítico sobre Lírica e sobre pintura, no recorte proposto. Detalhando um pouco mais, o estudo do assunto abordará dois pontos principais: a fratura entre sujeito e objeto na Lírica e na Natureza Morta; e a possibilidade de que se veja a apresentação fechada dos objetos de natureza morta no recinto burguês como uma espécie de eco do recuo do eu lírico em relação a um mundo hostil, que se imprime em negativo sobre a composição. O pressuposto que norteia a pesquisa é o de que, se esses dois pontos podem ajudar a pensar o contexto do surgimento da Lírica Moderna e da Pintura de Natureza Morta, eles parecem igualmente capazes de articular a reflexão em torno a alguns impasses da Lírica moderna e contemporânea, que será estudada a partir de um foco similar (unindo igualmente forma, expressão e história).

BETINA BISCHOF

FORMAS E GÊNEROS LITERÁRIOS

 

Esta linha de pesquisa se utiliza das categorias de “forma” e “gênero” para refletir sobre o fenômeno literário em perspectiva histórica, levando em conta principalmente obras e autores do ponto de vista de sua contribuição pessoal na constituição da tradição a que pertencem. Propõe-se a estudar a persistência teórica e as reformulações históricas dos gêneros literários enquanto categoria literária, com especial atenção às rupturas modernas e às formas híbridas contemporâneas.

 

DOS BASTIDORES DA CRIAÇÃO À POÉTICA DE OSMAN LINS: Uma frente de pesquisa no terreno dos bastidores da criação literária de Osman deve ser aprofundada e ampliada, porque existe denso e farto material que para isso se presta.O processo de criação, a busca do ato de escrever e o compromisso do escritor com seu tempo constituem temas freqüentes da ficção osmaniana. Existem muitos documentos, cadernetas de anotações e correspondência, ricos em informações sobre as preocupações do escritor em diferentes fases de sua vida com essas questões. Reunir, organizar, analisar e interpretar tais documentos, relacionando-os com a ficção de Osman Lins permitirá abrir caminhos para ampliar e aprofundar a compreensão de sua obra bem como para sistematizar suas idéias sobre tais temas, além de contextualizá-lo entre os criadores e pensadores de seu tempo, a partir de fontes reveladas, nas cadernetas de anotações e de diálogos explicitados na correspondência.

SANDRA MARGARIDA NITRINI

FORMAS HISTÓRICAS DO CONTO II: Estudo do conto como gênero, através da comparação de contos de alguns dos contistas mais importantes dos séculos XIX e XX. O primeiro romantismo alemão e a questão do gênero, momento fundamental para compreensão acerca de "conto" e "novela".

REGINA LUCIA PONTIERI

PROJETO E GRUPO DE PESQUISA ESTUDOS SOBRE SAMUEL BECKETT: O "Grupo de Pesquisa Estudos sobre Samuel Beckett" reúne, em encontros mensais, entre professores, doutores, doutorandos e mestrandos, pesquisadores da obra do dramaturgo, prosador, poeta e ensaísta irlandês (1906-9189), vindos de vários campos do conhecimento (letras, filosofia, psicologia social, artes cênicas, artes plásticas) e vinculados a diversas universidades brasileiras (USP, Unifesp, PUC-SP, UFSC, UFRJ, UFRN, UFBA). Suas atividades tiveram início em princípio de 2011 e tiveram como primeiro resultado, em julho do mesmo ano, o Simpósio Trajetórias cruzadas: narrativa e drama beckettianos no limite do silêncio, apresentado no XII Congresso Internacional da ABRALIC, realizado na UFPR, Curitiba. Seus eixos de trabalho são, por um lado, a recepção brasileira da obra beckettiana (a memória das encenações, das leituras acadêmicas e de sua repercussão editorial) e, por outro, o estudo dos muitos pontos de confluência e ruptura entre os limites dos gêneros lírico, narrativo e dramático nos escritos beckettianos, centrais na criação moderna e contemporânea.

FABIO RIGATTO DE SOUZA ANDRADE

FORMAS E GÊNEROS LITERÁRIOS

MODERNISMOS, MODERNIDADE E REVOLUÇÃO: GRACILIANO RAMOS E A CRISE DO ROMANCE NOS ANOS 1930: O estudo parte da discussão sobre as coordenadas históricas e estéticas para o surgimento do Modernismo, assim como de suas variáveis em contextos periféricos e “temporalidades diferenciais” (Perry Anderson), tendo em vista reinterpretar a literatura de Graciliano Ramos numa perspectiva dúplice. A saber, em comparação com obras e concepções do primeiro tempo modernista brasileiro e em comparação com o quadro da literatura norte-americana da década de 1930. Assim, procura-se debater a crise do romance pós-1929 e suas tentativas de solução, envolvendo questões como a reconfiguração do realismo a partir das experimentações modernistas; as relações entre literatura e política; a experiência do romance norte-americano dos anos 1930; as relações entre literatura e sociedade, com ênfase na discussão sobre o lugar e o papel do intelectual no quadro da crise do capitalismo (1929), e em específico no quadro da modernização brasileira durante os anos 1930 e o Estado Novo. O ponto de fuga desse projeto de pesquisa é a reflexão sobre a atualidade da obra de Graciliano Ramos e das questões postas pela literatura dos anos 1930.

ANA PAULA SÁ SOUZA PACHECO

POÉTICAS DA MODERNIDADE: Estudos sobre aspectos da produção lírica e da teoria da pética no período moderno, abrangendo a dialética entre a poesia e os demais gêneros literários e as continuidades e rupturas em relação à poética clássica.

FABIO RIGATTO DE SOUZA ANDRADE

Demais membros docentes: Viviana Bosi.

REALISMO E GÊNEROS LITERÁRIOS EM GUSTAVE FLAUBERT - FASE II: A partir de sugestões teóricas e analíticas de Auerbach, Lukács e Bakhtin, a pesquisa quer analisar as relações entre a figuração realista e a dinâmica dos gêneros literários na ficção de Gustave Flaubert, com destaque para "A Educação Sentimental", os "Três Contos" e "Bouvard e Pécuchet". Com isso, procura-se sublinhar a modernidade da narrativa flaubertiana, tanto no plano da composição como no da relação com o leitor, desmentindo visões mais correntes, de inspiração estruturalista e pós-estruturalista, a respeito da suposta ingenuidade pré-reflexiva do realismo oitocentista.

SAMUEL DE VASCONCELOS TITAN JUNIOR

FORMAS E GÊNEROS LITERÁRIOS

TEORIA CRÍTICA E LITERATURA: O objetivo da pesquisa é analisar e interpretar, no âmbito da teoria literária e literatura comparada do século XX, a contribuição dos autores relacionados, direta ou indiretamente, à chamada "Teoria Crítica" (Georg Lukács, Walter Benjamin, Theodor Adorno, Leo Löwenthal, Herbert Marcuse, Eric Auerbach, Peter Szondi, Peter Bürger, Dolf Oehler, Fredric Jameson, entre outros) . No âmbito específico da crítica literária, a pesquisa pretende investigar o contexto de origem, o teor conceitural e as consequências críticas de temas e procedimentos como a "crítica imanente", a "primazia do objeto", a "crítica cultural dialética", o "ensaio como forma crítica que procede metodicamente sem método", a "mediação entre forma e processo social" e a "teoria crítica dos gêneros literários".

JORGE MATTOS BRITO DE ALMEIDA

LITERATURA E PSICANÁLISE

 

Dentro do campo controverso da interdisciplinaridade, tal vertente dá continuidade a pesquisas – iniciadas desde Freud – cujo intento principal está em estabelecer confluências entre a teoria psicanalítica e a leitura da obra literária, visando sublinhar ângulos pouco iluminados por outras correntes críticas. Nessa direção, busca-se determinado equilíbrio entre um saber específico e as peculiaridades do literário, que, além de comportar inúmeros saberes, é arte (e, como tal, um espaço em que o inconsciente pode aflorar...). Para tanto, aspectos teóricos da psicanálise são recobrados, ganhando maior ou menor relevo conforme sua presença na fatura da obra, lembrando, na esteira freudiana, que o empréstimo de certa terminologia traz perdas inerentes a qualquer processo que desentranhe conceitos de sua esfera de origem e desenvolvimento. Em linhas gerais, interessam aqui formações do inconsciente: lapsos, chistes, associações, procedimentos oníricos etc., sempre que atuam como elementos constitutivos do texto artístico. 

FREUD E O CIRCUITO LITERÁRIO III: Relações entre a psicanálie e a literatura, tomando por base a literatura brasileira desde Machado de Assis.

CLEUSA RIOS PINHEIRO PASSOS

INTERSECÇÕES ENTRE PSICANÁLISE E CRÍTICA LITERÁRIA III: Busca de relações em aspectos teóricos da psicanálise e textos literários, enfatizando os ligados à literatura brasileira.

CLEUSA RIOS PINHEIRO PASSOS

LITERATURA E SOCIEDADE

 

Esta linha busca reconhecer e interpretar, no material de que se compõe o texto literário, a configuração mediada de elementos externos (a história, a sociedade, a relação entre obra, autor e público), sedimentados na forma que os expressa e, portanto, passíveis de serem estudados a partir de uma crítica imanente do texto. Tendo em vista um foco investigativo que visa a compreensão do fenômeno literário, esta vertente de pesquisa compreenderá, assim, a leitura dos diferentes modos pelos quais tais relações se cristalizam e se transformam.

 

EXPERIÊNCIA E REPRESENTAÇÃO NA NARRATIVA CONTEMPORÂNEA: Trata-se da investigação sobre a narrativa na sua relação com a problemática noção de experiência e da reflexão sobre sua produção no contexto contemporâneo, entendido como aquele que recobre do final do século XX aos dias atuais, a partir de um recorte transnacional no qual a categoria do Narrador se vê problematizada. Leva-se em conta, nesse âmbito, a via de mão dupla do trânsito entre literatura e imagem; literatura e História em Quadrinhos bem como entre literatura e meios digitais.

ANDREA SAAD HOSSNE

LITERATURA BRASILEIRA DOS ANOS 1930 AOS ANOS 1970 E AS LEITURAS DO BRASIL: Este projeto objetiva investigar as maneiras pelas quais as interpretações a respeito do Brasil estão representadas e formalizadas nas obras de Carlos Drummond de Andrade, Paulo Leminski e Elizabeth Bishop. Pretende também investigar o grau de tensões e contradições de tais interpretações, à luz, também, de estudos já tradicionais sobre a dinâmica da modernização no país, bem como sobre os estudos que efetivam a crítica desses clássicos. Por um lado, a leitura das tensões entre campo e cidade, entre a estrutura da família patriarcal e os dilemas do sujeito moderno (em Carlos Drummond de Andrade), ao longo dos anos 1930, 1940 e 1950, e seu confronto com o olhar da estrangeira Elisabeth Bishop (que morou no Brasil nos anos 1950 e parte dos anos 1960) para quem tais contradições surgem como elementos pitorescos, permitem contribuir para compreender questões centrais àqueles anos decisivos, seja no processo de atualização da consciência estética, seja no empenho em "(re)descobrir e (re)interpretar" o país, que realizava novo salto modernizador, sem, não obstante, superar as estruturas tradicionais que detinham o poder. Por outro lado, na interpretação de Paulo Leminski, o Brasil surge representado na tensão entre civilização (e domínio do "esclarecimento") e "barbárie" (na natureza - ambiental e humana - indomável e avessa à "domesticação" esclarecida), cujo resultado seria a impossibilidade de qualquer projeto de racionalização. No final dos anos 1950, e ao longo dos anos 1960 e 1970, não será esta a única obra a propor a impossibilidade do "milagre", que interromperia, assim, a ideologia sobre o país como uma "procissão de milagres", nas palavras de Sérgio Buarque. É assim que o projeto pretende - no recorte aqui proposto - realizar a crítica dessas figurações literárias e das concepções que ali ficam formalizadas.

IVONE DARE RABELLO

LITERATURA E SOCIEDADE

PROSA LITERÁRIA E MODERNIZAÇÃO NO BRASIL: FORMAS E PROBLEMAS: O projeto busca investigar formas diversas da prosa literária brasileira (romance, conto, crônica), tendo em vista suas articulações com momentos específicos da modernização social tal como se efetuou no país. A pesquisa das ramificações da prosa e suas manifestações em diferentes momentos históricos, com primazia do estudo das configurações formais, pretende apreender algumas particularidades do processo de modernização periférica, inscritas na matéria social elaborada nas obras.

EDU TERUKI OTSUKA

QUESTÕES SOBRE POESIA E CULTURA NOS ANOS 70: Depois de haver escrito essaios sobre alguns poetas (Ana Cristina Cesar, Francisco Alvim, Armando Freitas Filho, Rubens Rodrigues Torres Neto, Sebastião Uchoa Leite e José Paulo Paes), na primeira fase da pesquisa, agora intentamos aprofundar temas e problemas comuns a estes e outros poetas, tais como a ironia, a discussão sobre os limetes da arte, a dessublimação, o tipo de subjetividade e de agrupamento coletivo caracteróstico , o tipo de longuagem, e outros - em relação com um quadro maior da cultura da época.

VIVIANA BOSI

 

TEORIA DA NARRATIVA: PROSA BRASILEIRA MODERNA - FASE II: A pesquisa busca analisar e interpretar obras e autores posteriores a 1930, especialmente aqueles que não têm recebido muita atenção da crítica universitária, seja no romance, conto, diário, crônica etc. São considerados aspectos de gênero, tema e contexto histórico-literário.

ARIOVALDO JOSÉ VIDAL

TEORIA DO ROMANCE: ÉTICA, ALTERIDADE E POLÍTICA NAS JOVENS NAÇÕES EMANCIPADAS: Este projeto visa a refletir sobre o processo de formação e consolidação do gênero romanesco no Brasil e nos Estados Unidos, partindo de seu desenvolvimento no século XIX. A partir do exame da legitimação artística do gênero, cumpre ponderar os rumos que ele, assim como a crítica a seu respeito, tomaram no século XX na esteira do desenvolvimento dos movimentos de vanguarda e das várias gerações modernistas, tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos. Queremos entender a persistência de certos modelos artísticos e de pensamento inaugurados nos Oitocentos, assim como seu progresso a partir de novas crises e novas configurações histórico-sociais.

MARCELO PEN PARREIRA

VERTENTES CRÍTICAS E VERBETES: LITERATURA, CULTURA E SOCIEDADE DE ANTONIO CANDIDO: O projeto tem por objetivo o estudo de algumas vertentes da obra crítica de Antonio Candido, consideradas a partir de dois ângulos diversos, embora complementares, num percurso que se estende dos anos de 1940 a 2007, sem descartar ensaios que o Autor venha a publicar enquanto a pesquisa estiver em andamento. Na primeira parte os verbetes serão reunidos em blocos temáticos, hierarquizados com base numa seqüência temporal, de modo a observar usos dos conceitos em perspectiva histórica. Serão ainda privilegiadas as relações entre textos e formas variantes. Os verbetes serão acompanhados de bibliografia, contendo indicações sobre textos que guardam proximidade com o verbete de base, seguidos de comentários. A segunda parte será dedicada ao estudo analítico dos ensaios que servem apoio ao projeto.

MARIA AUGUSTA BERNARDES FONSECA

VICISSITUDES DA HEGEMONIA CABRALINA NA POESIA BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA: Análise crítica da presença marcante da poesia construtiva de João Cabral na produção poética brasileira, em particular a partir dos anos 1990, quando a relação com a tradição moderna, nas modalidades de citação, referência textual e apropriação de procedimentos, configurou o que tenho designado como “retradicionalização frívola”.

IUMNA MARIA SIMON

 

 

 

 

GRUPOS DE PESQUISA VINCULADOS A DOCENTES DO PROGRAMA

 

LINHA

GRUPO

DATA DE INÍCIO

DOCENTE ENVOLVIDO

FORMAS E GÊNEROS LITERÁRIOS

GRUPO DE PESQUISA ESTUDOS SOBRE SAMUEL BECKETT: O "Grupo de Pesquisa Estudos sobre Samuel Beckett" reúne, em encontros mensais, entre professores, doutores, doutorandos e mestrandos, pesquisadores da obra do dramaturgo, prosador, poeta e ensaísta irlandês (1906-9189), vindos de vários campos do conhecimento (letras, filosofia, psicologia social, artes cênicas, artes plásticas) e vinculados a diversas universidades brasileiras (USP, Unifesp, PUC-SP, UFSC, UFRJ, UFRN, UFBA). Suas atividades tiveram início em princípio de 2011 e tiveram como primeiro resultado, em julho do mesmo ano, o Simpósio Trajetórias cruzadas: narrativa e drama beckettianos no limite do silêncio, apresentado no XII Congresso Internacional da ABRALIC, realizado na UFPR, Curitiba. Seus eixos de trabalho são, por um lado, a recepção brasileira da obra beckettiana (a memória das encenações, das leituras acadêmicas e de sua repercussão editorial) e, por outro, o estudo dos muitos pontos de confluência e ruptura entre os limites dos gêneros lírico, narrativo e dramático nos escritos beckettianos, centrais na criação moderna e contemporânea.

01/06/2011 – Certificado no CNPq – Âmbito Nacional

FABIO RIGATTO DE SOUZA ANDRADE – Prof. Responsável.

 

Grupo de Pesquisa internacional TRANS: TRANSNACIONALISM, TRANSLATION AND TRAVEL LITERATURE

 

Âmbito Internacional -Apoiado pelo UGPN (University Global Partnership Network)

SANDRA GUARDINI T. VASCONCELOS

ESTUDOS COMPARATIVISTAS DA LITERATURA (8 membros)

 

FORMAS E GÊNEROS LITERÁRIOS (6 membros)

 

LITERATURA E SOCIEDADE (10 membros)

 

LABORATÓRIO DE POÉTICAS CONTEMPORÂNEAS: O grupo existe regularmente há três anos, reunindo-se mensalmente para discutir ora obras de poetas contemporâneos, ora pesquisas sobre eles realizadas por membros do grupo, ora textos teóricos e críticos sobre poéticas contemporâneas. Realizamos um colóquio em 2012 sobre Ana Cristina Cesar, convidando dois especialistas de fora para discutir nosso trabalho (os professores Ítalo Moriconi, da UERJ, e Michel Riaudel, da Universidade de Toulouse, França), do qual resultará um livro coletivo, já no prelo. Como iniciativas de parte do grupo, realizamos um curso de extensão sobre poesia dos anos 70. Depois, discutimos diferentes aspectos das obras de Nuno Ramos, Carlito Azevedo e outros poetas, assim como de textos críticos selecionados sobre os autores.

 

 2012 – Certificado no CNPq – Âmbito Nacional

VIVIANA BOSI

ROBERTO ZULAR – Profs. Responsáveis

LITERATURA E SOCIEDADE (9 membros)

POESIA MODERNA E CONTEMPORÂNEA: O grupo reúne-se regularmente para debater pesquisas próprias ou da crítica especializada. Também se debruça sobre obras teóricas fundamentais voltadas ao nossos tema de estudo.

2009 – Certificado pelo CNPq – Âmbito? (Grupo de orientandos?)

VIVIANA BOSI – Prof. Responsável (única docente do grupo)

 

 

A OBRA DE GOETHE NO CONTEXTO DA LITERATURA MUNDIAL

20/08/2014 – Certificado pelo CNPq – Âmbito Nacional

MARCUS VINÍCIUS MAZZARI – Prof. Responsável

Coordenação: Profa. Dra. Marta Kawano

Vice-coordenação: Prof. Dr. Edu Teruki Otsuka

Comissão Coordenadora de Programa:

 

 

 

Secretaria: Rosely de Fátima Silva
E-mail: postllc@usp.br
Telefone: 3091-4893